A Lei de Compliance e sua Configuração Enquanto Política Pública Regulatória para o Setor Privado Brasileiro

  • Veruska Sayonara de Góis
Palavras-chave: Lei de Compliance. Setor Privado. Política Pública Regulatória. Mecanismos de Integridade e Ética.

Resumo

No trabalho em comento, investiga-se a Lei de Compliance para o setor privado - também conhecida como Lei Anticorrupção. A corrupção é um fenômeno preocupante, e internacionalmente identificado como causa de grandes crises do mercado, devido a fraudes corporativas do setor financeiro. O Brasil assume o compromisso de combater a corrupção, e para o setor privado, tivemos a Lei 12.846/2013. A referida norma necessita de regulamentação, mas já vem inspirando uma série de indagações e adequações estruturais. Analisaram-se, no texto, a partir de pesquisa bibliográfica e documental, a origem das normas de compliance, as características da Lei 12.846/2013 e sua configuração enquanto política pública regulatória destinada a resolver um problema, o que faz a partir da regulação. A Lei Anticorrupção prevê a necessidade de mecanismos e procedimentos internos de integridade, auditoria e incentivo à denúncia de irregularidades e a aplicação efetiva de códigos de ética e de conduta no âmbito da pessoa jurídica. Assim, a ideia de compliance denota o conceito de cumprimento e obediência às normas. Discute-se a configuração da norma como marco regulatório inaugural de uma política pública específica para combate à corrupção no setor privado, e os desafios e indagações que tal política suscita.

Referências

BILCHITZ, David. O Marco Ruggie: Uma Proposta Adequada para as Obrigações de Direitos Humanos das Empresas? In: SUR. Revista Internacional de Direitos Humanos (São Paulo). V. 7, n. 12, jun. 2010.

BOTTINI, Pierpaolo Cruz. O que é compliance no âmbito do Direito Penal? In: Consultor Jurídico. Disponível na Internet: http://www.conjur.com.br/2013-abr-30/direito-defesa-afinal-criminal-compliance Acesso em:

/05/2014.

BUCCI, MARIA PAULA DALLARI. Políticas públicas e direito administrativo. In: Revista de Informação Legislativa. Brasília a. 34 n. 133 jan./mar. 1997.

BULOS, Uadi Lammêgo. Curso de direito constitucional. São Paulo, Saraiva, 2014.

CASTRO, Rafael Guedes de; ANTONIETTO, Caio Marcelo Cordeiro. Criminal compliance: a política de cumprimento de normas penais e seus impactos na atividade econômica empresarial. In: Direito e economia I,

CONPEDI/UFSC; coordenadores: Gina Vidal Marcílio Pompeu, Felipe Chiarello de Souza Pinto, Everton das Neves Gonçalves. Florianópolis: CONPEDI, 2014.

CUNHA, Paulo Roberto da Cunha; SILVA, Julio Orestes da; FERNANDES, Francisco Carlos. Pesquisas sobre a lei Sarbanes-Oxley: uma análise dos journals em língua inglesa. In: Revista Enfoque: Reflexão Contábil (Universidade Estadual de Maringá). Vol. 32, N. 2. 2013.

DAINEZE, Marina do Amaral. Códigos de Ética Empresarial e as Relações da Organização com Seus Públicos. In: Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social (ETHOS). Responsabilidade Social das Empresas – A

Contribuição das Universidades. São Paulo, Ethos, 2010. Volume 3.

ENGEL, E.; HAYES, R. M.; WANG, X. The Sarbanes–Oxley Act and firms’ going-private decisions. In: Journal of Accounting and Economics. Vol. 44, n. 1-2, 2007.

FILGUEIRAS, Fernando. Accountability e Justiça. In: AVRITZER, Leonardo et al. Dimensões políticas da justiça. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2013.

FREY, Klaus. Políticas públicas: um debate conceitual e reflexões referentes à prática da análise de políticas públicas no Brasil. In: planejamento e políticas públicas. Nº 21, jun. 2000. Disponível em: www.en.ipea.gov.br/

ppp/index.php/PPP/article/viewFile/89/158

INSTITUTO ETHOS DE EMPRESAS E RESPONSABILIDADE SOCIAL (ETHOS). Formulação e Implantação de Código de Ética em Empresas. São Paulo, Ethos, 2000.

PASCOAL, Valdecir. Direito financeiro e controle externo. Rio de Janeiro, Elsevier, 2009.

ROJAS, Claudio Nash; BASCUÑÁN, Pedro Aguiló; CAMPOS, María Luisa Bascur. Corrupción y derechos humanos: una mirada desde la jurisprudencia de la Corte Interamericana de Derechos Humanos. Facultad de Derecho, Universidad de Chile, 2014.

SADEK, Maria Tereza. Judiciário e arena pública: um olhar a partir da Ciência Política. In: GRINOVER, Ada Pellegrini; WATANABE, Kazuo. O controle jurisdicional de políticas públicas. Rio de Janeiro, Forense, 2013.

SANTOS, Luciana de Almeida Araújo; LEMES, Sirlei. A Lei Sarbanes -Oxley: uma tentativa de recuperar a credibilidade do mercado de capitais norte-americano. In: 1º Congresso USP de Iniciação Científica em Contabilidade, 2004, São Paulo. 1º Congresso USP de Iniciação Científica em Contabilidade e 4º Congresso USP Controladoria e Contabilidade - Demandas Sociais Emergentes e a Pesquisa Contábil, 2004.

SANTOS, Renato Almeida dos. Compliance como ferramenta de mitigação e prevenção da fraude organizacional. In: Prevenção e combate à corrupção no Brasil: 6º Concurso de monografias: trabalhos premiados. (Coletânea

de monografias). Presidência da República, Controladoria-Geral da União, Ano IV, n. 6. Brasília: CGU, 2011.

SOUZA, Celina. Políticas Públicas: uma revisão da literatura. In: Sociologias, Porto Alegre, ano 8, nº 16, jul/dez 2006, p. 20-45.

TAMIOZZO, Henrico César; KEMPFER, Marlene. O pacto global de responsabilidade social empresarial e a contribuição normativa brasileira para o combate à corrupção no domínio econômico. In: Revista de Direito

Brasileira. Brazilian Journal of Law. Ano 3, vol. 6, set-dez./ 2013. Florianopólis/SC.

Publicado
2016-11-25
Como Citar
Góis, V. (2016). A Lei de Compliance e sua Configuração Enquanto Política Pública Regulatória para o Setor Privado Brasileiro. Revista Controle - Doutrina E Artigos, 12(2), 98-117. https://doi.org/10.32586/rcda.v12i2.52
Seção
Artigos