Percepção dos servidores de uma autarquia federal quanto à aderência de seu sistema de controle interno baseado na metodologia COSO

  • Francisca Cicera Vieira Costa Soares Universidade Federal do Ceará (UFC)
  • Manuel Salgueiro Rodrigues Júnior Universidade Estadual do Ceará
Palavras-chave: Controle interno. Entidades públicas. Metodologia COSO.

Resumo

Este artigo apresenta a percepção dos servidores de uma autarquia federal quanto à aderência de seu sistema de controle interno, tomando como base os princípios da metodologia proposta pelo Comitê das Organizações Patrocinadoras (COSO). A pesquisa descritiva foi realizada aplicando um questionário, a partir dos dezessete princípios da metodologia COSO, adaptado à escala Likert. Por meio dos dados levantados, constatou-se que os componentes e os princípios possuem nível de aderência médio, com exceção ao princípio voltado para a integridade e valores éticos, que teve nível de aderência alto. Em termos gerais, a percepção da aderência do sistema de controle interno da entidade aos princípios propostos pelo COSO foi considerada média, com um patamar de 61%.

Biografia do Autor

Francisca Cicera Vieira Costa Soares, Universidade Federal do Ceará (UFC)
Formada em Administração pela Universidade Federal do Ceará; Graduanda do Curso de Ciências Contábeis da Universidade Estadual do Ceará; Servidora federal da unidade de Auditoria Interna do Departamento Nacional de Obras contra as Secas (DNOCS). Fone: 85-98895-1264 Endereço: Rua Sabiá, nº 329 - Bonsucesso - Fortaleza/CE - CEP: 60.520-515
Manuel Salgueiro Rodrigues Júnior, Universidade Estadual do Ceará
Contador, Especialista em Gestão Empresarial pela FGV, Mestre em Contabilidade e Controladoria pela USP e Doutorando em Administração e Controladoria pela UFC. Analista de Controle Externo do Tribunal de Contas do Estado do Ceará e Professor da Universidade Estadual do Ceará. Fone: 85-98805-1551

Referências

ABLAN BORTONE, N. C.; MÉNDEZ ROJAS, Z. E. Los sistemas de control interno en los entes descentralizados estadales y municipales desde la perspectiva COSO. Revista Visión Gerencial, Mérida, ano 9, n. 1, p. 5-17, jan./jun. 2010. Disponível em: <https://bit.ly/2CFOQtG>. Acesso em 31 mai. 2018.

ALBUQUERQUE, J. M. Avaliação dos controles internos de uma instituição pública de ensino superior à luz da metodologia MCDA – construtivista. Revista Contemporânea de Contabilidade, Florianópolis, v. 8, n. 15, p. 129-150, jan./jun. 2011. Disponível em: <https://bit.ly/2Hx1kJL> . Acesso em 10 mai. 2018.

ALMEIDA, M. C. Auditoria: um curso moderno e completo. 8. ed. São Paulo: Atlas, 2012.

AMORAS, F. C.; AMORAS, A. V. A pesquisa no ensino superior: um ensaio sobre metodologia científica. Estação Científica (UNIFAP), Macapá, v. 6, n. 3, p. 127-136, set./dez. 2016. Disponível em: <https://bit.ly/2S9DdEY>. Acesso em: 24 mai. 2018.

BARROS, A. J. S.; LEHFELD, N. A. S. Fundamentos de Metodologia Científica. 3. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

BEUREN, I. M.; ZONATTO, V. C. S. Perfil dos artigos sobre controle interno no setor público em periódicos nacionais e internacionais. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 48, n. 5, p. 1135-1163, set./out. 2014. Disponível em: <https://bit.ly/2Teus9W>. Acesso em: 30 mai.2018.

BOGONI, N. M. et al. Proposta de um modelo de relatório de administração para o setor público baseado no Parecer de Orientação no 15/87 da Comissão de Valores Mobiliários: um instrumento de governança corporativa para a administração pública. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 44, n. 1, p. 119-142, jan./fev.2010. Disponível em: <https://bit.ly/2sMjux4>. Acesso em: 15 out. 2018.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, Senado Federal, 1988.

BRASIL. Controladoria-Geral da União. Memória da 6ª reunião da Comissão de Coordenação de Controle Interno – CCCI. 2017. Disponível em: <https://bit.ly/2RO0QUt>. Acesso em 17 mai. 2018.

BRITO, C.; FONTENELLE, R. Auditoria privada e governamental: teoria e forma objetiva e mais de 500 questões comentadas. 3. ed. Niterói: Impetus, 2016.

CANNAVINA, V. C.; PARISI, C. Gestão pública em entidades brasileiras: adequação dos procedimentos de controles internos às normas COSO/INTOSAI. Revista Universo Contábil, Blumenau, v. 11, n. 3, p. 06-26, jul./set., 2015. Disponível em: <https://bit.ly/2CLjgus>. Acesso em 16 mai.2018.

CASTRO, D. P. Auditoria, contabilidade e controle interno no setor público. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2011.

CONACI: Órgãos de controle interno participam de treinamento com Banco Mundial, em Brasília. CONACI, Porto Alegre, 12 mar. 2015. Disponível em: <https://bit.ly/2Dw5nBY>. Acesso em 24 mai. 2018.

CONTROLE interno no Brasil – Desafios e oportunidades de Melhoria. The World Bank, Brasília, 18-20 mai. 2016. Disponível em: <https://bit.ly/2U8LUgi>. Acesso em 15 out. 2018.

COSO. Controle Interno - Estrutura Integrada [Sumário Executivo]. Committee of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission, Flórida, 2013. Disponível em: <https://bit.ly/2wqFTSM>. Acesso em: 24 jan. 2019.

CREPALDI, S. A. Auditoria Contábil: teoria e prática. 8. ed. São Paulo: Atlas, 2012.

NAVARRO STEFANELL, F.; RAMOS BARRIOS, L. M. El control interno en los procesos de producción de la industria litográfica en Barranquilla. Equidad & Desarrollo, n. 25, p. 245-267, jan./jun. 2016. Disponível em: <https://bit.ly/2RcTZOX>. Acesso em: 21 jan. 2019.

PROVASI, R.; RIVA, P. The Updated COSO Report 2013. Journal of Modern Accounting and Auditing. v. 11, n. 10, p. 487-498, out. 2015. Disponível em: <https://bit.ly/2UgFM5Q>. Acesso em: 20 mai. 2018.

REA, L. M.; PARKER, R. A. Metodologia de pesquisa: do planejamento à execução. São Paulo: Pioneiro, 2000.

SOBREIRA, K. R.; JÚNIOR M. S. R. Governança no setor público segundo IFAC: levantamento do nível de aderência de uma instituição de ensino superior. Revista Controle, Fortaleza, v. 15, n. 1, p. 166-194, jan./jun. 2017. Disponível em: <https://bit.ly/2FOCnHW>. Acesso em: 29 mai. 2018.

SOUSA, R. G.; SOUTO, S. D. A. S.; NICOLAU, A. M. Em um mundo de incertezas: um survey sobre controle interno em uma perspectiva pública e privada. Revista Contemporânea de Contabilidade, Florianópolis, v. 14, n. 31, p. 155-176, jan./abr. 2017. Disponível em: <https://bit.ly/2sKlohB>. Acesso em: 20 mai. 2018.

VELOSO, G. M. et al. Controle primário na gestão de cooperações: uma análise na Fiocruz Brasília. Tempus Actas de Saúde Coletiva. Brasília, v. 9, n. 3, p. 159-177, set. 2015. Disponível em: <https://bit.ly/2FKZ2oI>. Acesso em: 30 mai. 2018.

WANDERLEY, C. A. N.; FONSECA, A. C. P. D.; PAULA, H. A. Controles internos no setor público à luz da estrutura COSO: o caso de um órgão de compra da marinha do Brasil. ConTexto, Porto Alegre, v. 15, n. 30, p. 77-93, mai./ago. 2015. Disponível em: <https://bit.ly/2CLnxhu>. Acesso em: 30 mai. 2018.

Publicado
2019-08-07
Como Citar
Soares, F. C., & Rodrigues Júnior, M. (2019). Percepção dos servidores de uma autarquia federal quanto à aderência de seu sistema de controle interno baseado na metodologia COSO. Revista Controle - Doutrina E Artigos, 17(1), 225-251. https://doi.org/10.32586/rcda.v17i1.468
Seção
Artigos