Caminhos da democracia participativa: participação popular nos Tribunais de Contas

  • Juliana Rodrigues Barreto Cavalcante Universidade de Fortaleza- Unifor
  • Juliana Silva Rodrigues Universidade de Fortaleza- UNIFOR
Palavras-chave: Controle Social. Democracia Participativa. Tribunal de Contas.

Resumo

Este artigo tem por escopo discutir a participação popular no controle da gestão pública, dando enfoque às ouvidorias e denúncias dos Tribunais de Contas, de modo a verificar seu potencial democrático e sua realidade fática sob a perspectiva de controle social. A metodologia utilizada constitui-se em um estudo descritivo-analítico, desenvolvido por meio de pesquisa do tipo bibliográfica e documental. Concluiu-se que o instrumento que efetiva a participação popular no Tribunal de Contas é a denúncia, e tal controle social tem suma importância no auxílio do combate efetivo à improbidade administrativa e à proteção do erário. Os resultados revelam o potencial democrático dos mecanismos participacionistas, entretanto, apontam para a necessidade de maior atuação da sociedade civil na defesa de seus interesses plurais.

Biografia do Autor

Juliana Rodrigues Barreto Cavalcante, Universidade de Fortaleza- Unifor
Especialista em Direito e Processo Constitucionais pelo Programa de Pós-Graduação em Direito Lato Sensu da Universidade de Fortaleza. Graduada em Direito pela mesma Universidade (2016). Foi pesquisadora bolsista do Laboratório de Jurisprudência- LAJUR e estagiária do Tribunal de Justiça do Estado do Ceará. Advogada OAB/CE nº 35.470.
Juliana Silva Rodrigues, Universidade de Fortaleza- UNIFOR
Advogada. OAB/CE n° 35.659. Graduada em Direito pela Universidade de Fortaleza em 2016 (UNIFOR). Foi estagiária na Assessoria Jurídica da empresa Alfa Contabilidade e no Tribunal de Contas do Municípios do Estado do Ceará (TCM/CE). 

Referências

AUGUSTO, H. B. Instrumentos de democracia participativa e suas previsões na Constituição Federal de 1988 e na legislação infraconstitucional brasileira. Revista Controle – Doutrinas e Artigos, v. 15, n. 1, 2017, p. 340-366. Disponível em: <https://bit.ly/2HNxo8D >. Acesso em: 20 abr. 2018.

AGUIAR, U. Tribunal de Contas da União: auxílio indispensável no combate à corrupção na administração pública. Revista de Informação Legislativa, Brasília, DF, v. 47, n. 187, p. 301-319, jul.-set. 2010.

ARAGÃO, A. P. Controle social fiscalizatório da gestão pública. Revista da Associação Cearense do Ministério Público, Fortaleza, v. 1, n. 1, p. 23-35, jun. 2010.

BARRETO, W. C. S. O fortalecimento do tribunal de contas e a busca de um novo sistema de combate à corrupção. Controle, Fortaleza, v. 10, n. 1, p. 243-256, jan.-jun. 2012.

BORTOLETO, L.; LÉPORE, P. Direito administrativo constitucional. 2. ed. rev., ampl. e atual. Salvador: Juspodivm, 2017. BRASIL. Constituição (1988). Brasília, DF: Senado, 1988.

______. Lei Complementar nº 64, de 18 de maio de 1990. Estabelece, de acordo com o art. 14, § 9º da Constituição Federal, casos de inelegibilidade, prazos de cessação, e determina outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 1990. Disponível em: <https://bit.ly/1v0B4Hx>. Acesso em: 25 fev. 2014.

______. Supremo Tribunal Federal. Recurso Extraordinário nº 132.747/DF. Relator: ministro Marco Aurélio, Tribunal Pleno. Diário de Justiça Eletrônico, Brasília, DF, 17 jun. 1992a.Disponível em: <https://bit.ly/2JNcdo1>. Acesso em: 22 fev. 2018.

______. Lei nº 8.443, de 16 de julho de 1992. Dispõe sobre a Lei Orgânica do Tribunal de Contas da União e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 1992b. Disponível em: <https://bit.ly/2HzdtKE>. Acesso em: 16 fev. 2014.

______. Lei Federal nº 8.666, de 21 de junho de 1993. Regulamenta o art. 37, inciso XXI, da Constituição Federal, institui normas para licitações e contratos da Administração Pública e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 1993. Disponível em:<https://bit.ly/19wNYAw>. Acesso em: 12 abr. 2014.

______. Supremo Tribunal Federal. Ag. reg. no Agravo de Instrumento nº 239.874/RS. Relator: ministro Celso de Mello, 2ª Turma. Diário de Justiça Eletrônico, Brasília, DF, 10 ago. 1999. Disponível em: https://bit.ly/2vpEmhA. Acesso em: 18 fev. 2018.

______. Supremo Tribunal Federal. Informativo de Jurisprudência nº 286. Diário de Justiça Eletrônico, Brasília, DF,

-18 out. 2002. Disponível em: <https://bit.ly/2qvUh8B>. Acesso em: 16 fev. 2014.

______. Supremo Tribunal Federal. Mandado de Segurança nº 24.405-4/DF. Relator: ministro Carlos Velloso, Tribunal Pleno. Diário de Justiça Eletrônico, Brasília, DF, 23 abr. 2004. Disponível em: <https://bit.ly/2qAnPC3>. Acesso em: 13 abr. 2018.

______. Senado Federal. Resolução nº 16, de 14 de março de 2006. Suspende a execução da expressão “manter ou não o sigilo quanto ao objeto e a autoria da denúncia”, constante do parágrafo 1 do artigo 55 da lei federal 8.443, de 16 de julho de 1992, e do contido no disposto no regimento interno do tribunal de contas da união, que, quanto a autoria da denúncia, estabelece a manutenção do sigilo. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 15 mar. 2006a. Seção 1, p. 1.

Publicado
2018-05-18
Como Citar
Cavalcante, J., & Rodrigues, J. (2018). Caminhos da democracia participativa: participação popular nos Tribunais de Contas. Revista Controle - Doutrina E Artigos, 15(2), 344-379. https://doi.org/10.32586/rcda.v15i2.412
Seção
Artigos