Uma análise da extinção dos Tribunais de Contas dos Municípios à luz da Constituição Federal

  • Daniele Ferreira de Almeida Vieira Holanda
Palavras-chave: Tribunais de Contas. Natureza. Competências. Extinção.

Resumo

O presente artigo teve o objetivo de analisar as particularidades dos Tribunais de Contas, como entes detentores de autonomia administrativa e funcional e como órgãos de auxílio aos respectivos Poderes Legislativos, ressaltando o quão importante são essas Cortes para o equilíbrio e controle da gestão das finanças públicas. Para tanto, teve o propósito de buscar conhecer a história dos Tribunais de Contas no Brasil, sua natureza jurídica, finalidades, a posição Estatal do órgão, a investidura e o estatuto dos seus membros, as competências que lhes foram constitucionalmente atribuídas, bem como a natureza e eficácia das suas decisões. Para isso, este artigo se utilizou do método descritivo-analítico desenvolvido por meio de pesquisa bibliográfica de natureza exploratória, através de explicações baseadas em trabalhos publicados sob a forma de revistas, livros, artigos, leis e julgamentos de Tribunais Superiores, que trouxeram à tona o tema em análise, seja de forma direta ou indireta. Conclui-se pela necessidade de uma Emenda Constitucional que esclareça de forma específica e republicana a respeito da possibilidade de extinção dos Tribunais de Contas, incluindo os Tribunais de Contas dos Municípios, instituídos e mantidos pelos Estados, de forma a contribuir para o aperfeiçoamento da Administração Pública.  

Biografia do Autor

Daniele Ferreira de Almeida Vieira Holanda
Especialista em Gestão Pública com foco em Auditoria e Controle Externo no Setor Público, pela Faculdade de Tecnologia Darcy Ribeiro. Especialista em Gestão Pública, pela Faculdade Entre Rios do Piauí.Graduada em Direito pela Universidade de Fortaleza (UNIFOR) e Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de Fortaleza (UNIFOR). Analista de Controle Externo do Tribunal de Contas do Estado do Ceará.

Referências

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, Senado, 1988.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Ação Direta de Inconstitucionalidade nº 154 RJ, Relator: Octavio Gallotti, Data de Julgamento: 18/04/1990, Tribunal Pleno, Brasília, DF, Diário da Justiça, Data da Publicação: 11/10/1991 PP-14247 EMENT VOL-01637-01 PP-00001 RTJ VOL-00135-02 PP-00457. Disponível em: <http://www.stf.jus.br/portal/

jurisprudencia/listarJurisprudenciaDetalhe.asp?s1=000116632&base=baseAcordaos>. Acesso em: 25 set. 2017.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Ação Direta de Inconstitucionalidade nº 867-6/MA-Maranhão, Relator: Ministro Marco Aurélio, Data de Julgamento: 10/10/1994, Tribunal Pleno, Brasília, DF, Diário da Justiça, Data da Publicação: 3/31/95. Disponível em: <http://redir.stf.jus.br/paginadorpub/paginador.jsp?docTP=AC&docID=266570>. Acesso em: 11 ago. 2017.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Ação Direta de Inconstitucionalidade nº 5.763/CE – Ceará, Relator: Ministro Marco Aurélio, Brasília, 26 de outubro de 2017. Disponível em: <http://redir.stf.jus.br/estfvisualizadorpub/jsp/consultarprocessoeletronico/ConsultarProcessoEletronico.jsf?seqobjetoincidente=5249161>. Acesso em: 11 nov. 2017.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Súmula nº 473. A administração pode anular seus próprios atos, quando eivados de vícios que os tornam ilegais, porque deles não se originam direitos; ou revogá-los, por motivo de conveniência ou oportunidade, respeitados os direitos adquiridos, e ressalvada, em todos os casos, a apreciação judicial. Disponível em: <http://www.stf.jus.br/portal/jurisprudencia/menuSumarioSumulas.asp?sumula=1602>. Acesso em: 20 ago. 2017.

CEARÁ. Emenda Constitucional nº 92, de 16 de agosto de 2017. Extingue o Tribunal de Contas dos Municípios do Estado do Ceará. Diário Oficial do Estado do Ceará, Fortaleza, n. 157, p. 105-106, Data da Publicação: 21/12/2016. Disponível em: <http://imagens.seplag.ce.gov.br/ PDF/20170821/do20170821p02.pdf#page=105>. Acesso em: 11 nov. 2017.

CITADINI, Antônio Roque. O controle externo da administração pública. São Paulo: M. Limonad, 1995.

DAL POZZO, Gabriela Tomaselli Bresser Pereira. As funções do Tribunal de Contas e o Estado de Direito. Belo Horizonte: Fórum, 2010.

FONTES, Eduardo; CÂMARA, Antônio de Pádua Saraiva. Pequena história do Tribunal de Contas do Ceará. Fortaleza: Imprensa Oficial, 1985.

MARANHÃO. Emenda Constitucional nº 9, de 25 de março de 1993. Extingue o Tribunal de Contas dos Municípios e dá outras providências. Disponível em: <http://arquivos.al.ma.

leg.br:8080/ged/legislacao/EC_009>. Acesso em: 11 nov. 2017.

MARTINS, Ives Gandra da Silva. As cortes de contas são instituições permanentes de impossível extinção nos termos da Constituição Federal - sua competência é imodificável por legislação infra constitucional – Parecer. 1992. Disponível em: <http://www.gandra

martins.adv.br/parecer/detalhe/id/PA01005>. Acesso em: 11 nov. 2017.

MASCARENHAS, Michel. Tribunal de Contas e o Poder Judiciário – o sistema jurisdicional adotado no Brasil e o controle judicial sobre atos dos tribunais de contas. São Paulo: Conceito Editorial, 2011.

MEDAUAR, Odete. Controle da administração pública. 3. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2014.

MILESKI, Hélio Saul. O controle da gestão pública. 2. ed. Belo Horizonte: Fórum, 2011.

SILVA, André Garcia Xerez. Tribunais de contas e inelegibiliadade: limites da jurisdição eleitoral. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2015.

SILVA, Moacir Marques da. Controle externo das contas públicas: o processo nos Tribunais de Contas do Brasil. São Paulo: Atlas, 2014.

SIMÕES, Edson. Tribunais de Contas: controle externo das contas públicas. São Paulo: Saraiva, 2014.

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Conhecendo o Tribunal. Brasília: TCU, 2011.

Publicado
2018-08-20
Como Citar
Holanda, D. (2018). Uma análise da extinção dos Tribunais de Contas dos Municípios à luz da Constituição Federal. Revista Controle - Doutrina E Artigos, 16(1), 362. https://doi.org/10.32586/rcda.v16i1.400
Seção
Artigos