A norma implícita de orçamento impositivo na concretização de direitos fundamentais sociais

  • Michel André Bezerra Lima Gradvohl Universidade del Museo Social Argentino Receita Estadual do Ceará
Palavras-chave: Orçamento Público. Eficácia dos Direitos Fundamentais Sociais. Discricionariedade. Dever de Motivação.

Resumo

Esta pesquisa se propõe a analisar, a partir do ordenamento jurídico brasileiro, o nível de vinculação que a Administração Pública possui na execução das ações, informadas no orçamento público, que concretizam direitos fundamentais sociais de natureza prestacional. O orçamento público progrediu de um meio de controle político do Poder Legislativo sobre o Poder Executivo para um instrumento do planejamento e da programação, decididos democraticamente, do agir financeiro do Estado. O século XXI consagra um novo processo hermenêutico que supera o clássico modelo positivista. Esse pós-positivismo apresenta as suas inovações: a comprovação da força normativa das normas constitucionais de direitos fundamentais, inclusive os sociais prestacionais, e do prestígio dos valores consagrados constitucionalmente. A Constituição de 1988 impõe ao agente público o dever de apresentar conduta clara e transparente, mostrando sempre reverência à sociedade, prestando-lhe contas dos seus atos e justificando suas atitudes, inclusive as discricionárias e omissivas. Nesse contexto, o ordenamento jurídico brasileiro impõe o reconhecimento da existência de uma norma, implícita, de orçamento impositivo na concretização de direitos fundamentais sociais. Em razão das circunstâncias de cada caso concreto, sua aplicação se dá como norma-regra ou como norma-princípio. A priori, o orçamento deve ser executado de forma plena pela Administração. A razoabilidade da conduta e das motivações expressas pela Administração serão sempre passíveis de aferição pelo Poder Judiciário, pela sociedade e pelos demais órgãos de controle.

Biografia do Autor

Michel André Bezerra Lima Gradvohl, Universidade del Museo Social Argentino Receita Estadual do Ceará
Doutor em Ciências Jurídicas e Sociais pela Universidad del Museo Social Argentino (UMSA), de Buenos Aires (Argentina). Pesquisador do grupo Democracia e Finanças Públicas da Universidade Federal do Ceará (UFC). Autor do livro Direito Constitucional Financeiro: direitos fundamentais e orçamento público.

Referências

ALEXY, Robert. Teoria dos direitos fundamentais. 2. ed. Trad. Virgílio Afonso da Silva. São Paulo: Malheiros, 2009.

ANDRADE, José Carlos Vieira de. Os direitos fundamentais na Constituição portuguesa de 1976. 3. ed. Coimbra: Almedina, 2006.

ARAÚJO, Florivaldo Dutra de. Motivação e controle do ato administrativo. 2. ed. Belo Horizonte: Del Rey, 2012.

BALEEIRO, Aliomar. Uma introdução à Ciência das Finanças. 17. ed. rev. e atual. Rio de Janeiro: Forense, 2010.

BANDEIRA DE MELLO, Celso Antonio. Curso de Direito Administrativo. 30. ed. São Paulo: Malheiros, 2013.

BARROSO, Luis Roberto. Fundamentos teóricos e filosóficos do novo direito constitucional brasileiro. In: ______ (Org.). A nova interpretação constitucional: ponderação, direitos fundamentais e relações privadas. Rio de Janeiro: Renovar, 2003. p. 1-48.

______. O Direito Constitucional e a efetividade de suas normas: limites e possibilidades da Constituição brasileira. 9. ed. Rio de Janeiro: Renovar, 2009.

______. Neoconstitucionalismo e constitucionalização do Direito: o triunfo tardio do direito constitucional no Brasil. Revista Interesse Público, n. 33. Porto Alegre: Notadez, 2007, p. 14-55.

BONAVIDES, Paulo. Curso de Direito Constitucional. 22. ed. São Paulo: Malheiros, 2008.

______. Teoria constitucional da democracia participativa. São Paulo: Malheiros, 2001.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 1988.

______. Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000. Estabelece normas de finanças públicas voltadas para a responsabilidade na gestão fiscal e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 5 maio 2000. Disponível em: . Acesso em: 18 abr. 2017.

CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Direito Constitucional e teoria da Constituição. 7. ed. Coimbra: Almedina, 2003.

CORTI, Horacio Guillermo. Derecho Constitucional presupuestario. Buenos Aires: Lexis Nexis Argentina, 2007.

DALLARI, Adilson. Controle do desvio de poder. In: MATTOS, Mauro Roberto Gomes de; LIMA, Liana Maria Taborda (Coords.). Abuso de poder do Estado na atualidade. Rio de Janeiro: América Jurídica, 2006. p. 1-20

DI PIETRO, Maria Zanella. Direito Administrativo. 18. ed. São Paulo: Atlas, 2005.

FREITAS, Juarez de. Discricionariedade administrativa e o direito fundamental à boa Administração Pública. 2. ed. São Paulo: Malheiros, 2009.

______. O controle social do orçamento público. Revista Interesse Público, Porto Alegre, n. 11, jul./set. 2001.

______. O princípio da democracia e o controle do orçamento público brasileiro. Revista Interesse Público, Porto Alegre, ano 4, v. especial – responsabilidade fiscal, 2002.

FRISCHEISEN, Luiza. Políticas públicas: a responsabilidade do administrador e o ministério público. São Paulo: Max Limonad, 2000.

GIACOMONI, James. Orçamento público. 16. ed. ampl., rev. e atual. São Paulo: Atlas, 2012.

GRADVOHL, Michel André Bezerra Lima. A eficácia dos direitos fundamentais de 2ª dimensão e o orçamento público impositivo. Controle, Fortaleza, v. 7, n. 1, p. 347-362, abr. 2009.

JACINTHO, Jussara Maria Moreno. A participação popular e o processo orçamentário. Leme: LED Editora de Direito, 2000.

MACHADO, Hugo de Brito. Curso de Direito Tributário. 30. ed. rev., atual. e ampl. São Paulo: Malheiros, 2009.

MENDONÇA, Eduardo Bastos Furtado de. A constitucionalização das finanças públicas no Brasil: devido processo orçamentário e democracia. Rio de Janeiro: Renovar, 2010.

MENDONÇA, José Vicente dos Santos. Vedação do retrocesso: o que é e como perder o medo. Revista de Direito da Associação dos Procuradores do Novo Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, v. 12, p. 205-236, 2003.

MIRANDA, Jorge. Manual de Direito Constitucional. 4. ed. Coimbra: Coimbra, 2000. v. 4.

MOREIRA NETO, Diogo de Figueiredo. Legitimidade e discricionariedade. 4. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2002.

NABAIS, José Casalta. A face oculta dos direitos fundamentais: os deveres e os custos dos direitos. Revista Direito Mackenzie, São Paulo, v. 3, n. 2, p. 9-30, 2002.

PALUDO, Augustinho Vicente. Orçamento público e administração financeira e orçamentária e LRF. 3. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.

SARLET, Ingo Wolfgang. A eficácia dos direitos fundamentais. 8. ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2007.

SHICK, Allen. Uma morte na burocracia: o passamento do PPB federal. Revista da ABOP, Ribeirão Preto, v. 4, n. 3, p. 131-159, maio-ago. 1978.

SILVA, Virgílio Afonso da. O conteúdo essencial dos direitos fundamentais e a eficácia das normas constitucionais. Revista de Direito do Estado, Rio de Janeiro, n. 4, p. 23-51, 2006.

SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. Informativo nº 660, de 26 de março a 6 de abril de 2012. Disponível em: <http://www.stf. jus.br//arquivo/informativo/documento/ informativo660.htm>. Acesso em: 01 maio 2017.

TORRES, Ricardo Lobo. Tratado de direito constitucional financeiro e tributário: o orçamento na Constituição. 3. ed. rev. e atual. Rio de Janeiro: Renovar, 2008. v. 5.

VIVES, Francesc Vallès. El control externo del gasto público: configuración y garantía constitucional. Madrid: Centro de Estudios Políticos y Constitucionales, 2003.

Publicado
2018-08-20
Como Citar
Gradvohl, M. (2018). A norma implícita de orçamento impositivo na concretização de direitos fundamentais sociais. Revista Controle - Doutrina E Artigos, 16(1), 77. https://doi.org/10.32586/rcda.v16i1.387
Seção
Artigos