Inovações Sobre as Condições da Ação no Novo Código de Processo Civil

Palavras-chave: Justiça. Celeridade. Condições da ação.

Resumo

Inicialmente, é necessário reconhecer que a finalidade maior do Estado Democrático de Direito é a manutenção da ordem, da harmonia e da paz no contexto das relações que se desenvolvem na convivência em sociedade. Nesse passo, na medida em que a sociedade se desenvolve, as regras jurídicas devem evoluir. Nas últimas décadas, a legislação processual civil, de 1973, não apresentou celeridade judicial aos conflitos levados à apreciação do Poder Judiciário. Em razão disso, fez-se imperiosa sua substituição pelo Código de Processo Civil (CPC) de 2015. É válido ressaltar que o acesso à justiça é instrumento jurídico sério que não pode ser alvo de banalização. Por este motivo, foram impostas condições para que a ação seja processada e julgada, de modo a conceder a prestação jurisdicional almejada. Em momento anterior à norma processual vigente, para o processamento da ação eram exigidos três pressupostos: interesse de agir, legitimidade e possibilidade jurídica do pedido. Atualmente, a possibilidade jurídica do pedido passou a ser um critério acessório à condição da ação de interesse de agir. A síntese das condições da ação (legitimidade de causa e interesse de agir) presentes no CPC vigente tende a tornar o acesso à justiça mais justo e célere.

Biografia do Autor

Marciano Silva Fernandes, Leonardo Macedo Advocacia
Advogado. Especialização em Direito Processual Civil pela Universidade de Fortaleza (Unifor).

Referências

ARAÚJO JÚNIOR, G. C. Prática de recursos no processo civil. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2015.

BRASIL. Lei nº 5.869, de 11 de janeiro de 1973. Código de Processo Civil. Diário Oficial da União, Poder Legislativo, Brasília, DF, 17 jan. 1973. Seção 1, p. 1. Suplemento. Disponível em: <https://bit.ly/1Qt09Vq>. Acesso em: 2 dez. 2016.

______. Constituição da República Federativa do Brasil, de 5 de outubro de 1988. Diário Oficial da União, Poder Legislativo, Brasília, DF, 5 out. 1988. Seção 1, p. 1. Disponível em: <https://bit.ly/2Ltcxf3>. Acesso em: 23 jul. 2018.

______. Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002. Código Civil. Diário Oficial da União, Poder Legislativo, Brasília, DF, 11 jan. 2002. Seção 1, p. 1. Disponível em: <https://bit.ly/2mB5GlJ>. Acesso em: 23 jul. 2018.

______. Supremo Tribunal Federal. Reclamação nº 6.534/DF. Relator: Ministro Celso de Mello. Tribunal Pleno. Julgado em: 25 set. 2008. Diário Oficial da Justiça, Brasília, DF, 17 out. 2008. Disponível em: <https://bit.ly/2uLDqkN>. Acesso em: 23 jul. 2018.

______. Lei nº 13.105, de 16 de março de 2015. Código de Processo Civil. Diário Oficial da União, Poder Legislativo, Brasília, DF, 17 mar. 2015. Seção 1, p. 1. Disponível em: <https://bit. ly/2uZyS9Z>. Acesso em: 23 jul. 2018.

______. Supremo Tribunal Federal. Mandado de Segurança nº 33.528/DF. Relator: Ministro Celso de Mello. Segunda Turma. Julgado em: 6 set. 2016. Diário Oficial da Justiça, Brasília, DF, 20 set. 2016. Disponível em: <https://bit.ly/2O8YbPA>. Acesso em: 23 jul. 2016.

DIDIER JÚNIOR, F. Curso de direito processual civil. 4. ed. Salvador: JusPodivm, 2012.

GONÇALVES, M. V. R. Novo curso de direito processual civil. 8. ed. São Paulo: Saraiva, 2012.

LIEBMAN, E. T. Manuale di diritto processuale civile: principi. Milano: Giuffré, 1973.

MENDES, G. F. Direito constitucional. 9. ed. São Paulo: Saraiva, 2014.

SANTOS, M. A. Primeiras linhas de Direito Processual Civil. 18. ed. São Paulo: Saraiva, 1995. vol. 1.

THEODORO JÚNIOR, H. Curso de direito processual civil. 46. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2014.

Publicado
2018-08-20
Como Citar
Fernandes, M. (2018). Inovações Sobre as Condições da Ação no Novo Código de Processo Civil. Revista Controle - Doutrina E Artigos, 16(1), 171. https://doi.org/10.32586/rcda.v16i1.383
Seção
Artigos