O Controle da Gestão dos Recursos Públicos: Bases Conceituais e o Falso Dilema “Regularidade Versus Resultados”

  • Paulo Roberto Simão Bijos
Palavras-chave: Controle. Auditoria. Pirâmide de controle.

Resumo

 Este artigo apresenta os fundamentos teóricos do controle, retratando-o, de início, como função administrativa organicamente articulada em uma estrutura piramidal de controle, constituída pelas instâncias de controles internos, auditoria interna e auditoria externa. Em paralelo, traca a distinção entre: controle e auditoria; controles internos e auditoria interna; e auditoria interna e auditoria externa. Adicionalmente, explora a conexão entre auditoria e os conceitos de teoria da agência, governança corporativa e accountability. Em particular, expõe os elementos centrais do sistema brasileiro de accountability horizontal, pertinente ao controle da gestão dos recursos públicos, com ênfase no modelo federal, e analisa a inter-relacão entre as principais vertentes desse sistema de controle, abrangendo o dilema regularidade x resultados.

Referências

ANDRADE, Adriana; ROSSETTI, José Paschoal. Governança Corporativa: fundamentos, desenvolvimento e tendências. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2006.

ATTIE, William. Auditoria Interna. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

BANDEIRA DE MELLO, Celso Antônio. Curso de Direito Administrativo. 26. ed. São Paulo: Malheiros, 2009.

BOYNTON, William C. Auditoria. São Paulo: Atlas, 2002.

BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. Da administração pública burocrática à gerencial. Em: Reforma do Estado e administração pública gerencial. Org: Luiz Carlos Bresser Pereira e Peter Kevin Spink. 5. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2003.

DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito Administrativo. 22. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

FRANCO SOBRINHO, Manoel de Oliveira. Comentários à reforma administrativa federal: exegese do Decreto-lei nº 200, de 25 de fevereiro de 1967. São Paulo: Saraiva, 1975.

JENSEN, Michael C.; MECKLING, William H. Teoria da Firma: comportamento dos administradores, custos de agência e estrutura de propriedade. Revista de Administração de Empresas – RAE. Vol. 48. nº 2 . abr./jun. 2008.

MARTINS, Carlos Estevam. Governabilidade e Controles. Rev. São Paulo em Perspectivas, 2 (1): 10-17, jan./mar. 1988.

MARTINS, Eliseu. Contabilidade de Custos. 9. ed. São Paulo: Atlas, 2006.

MAXIMIANO, Antonio Cesar Amaru. Teoria Geral da Administração: da revolução urbana à revolução digital. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

O’DONNELL, Guillermo. Novas e horizontal Responsabilidade poliarquias. São Paulo: Lua Nova, n. 44, 1998.

POLLITT, Christopher. Desempenho ou Legalidade? Auditoria Operacional e de gestão pública em cinco países. Belo Horizonte: Fórum, 2008.

PRZEWORSKI, Adam. Sobre o desenho do Estado: uma perspectiva agent x principal. Em: Reforma do Estado e administração pública gerencial. Org: Luiz Carlos Bresser Pereira e Peter Kevin Spink. 5. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2003.

RESENDE, Fernando Antonio. Finanças Públicas. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2010. SÁ, Antônio Lopes de. Curso de Auditoria. 10. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

SLOMSKI, Valmor. Controladoria e Governança na Gestão Pública. 1. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

STERCK, Miekatrien; SCHEERS, Bram; BOUCKAERT, Geert. The modernization of the public control pyramid: international trends. Report. Bélgica: Bestuurlijke Organisatie Vlaanderen, 2005.

Publicado
2011-12-31
Como Citar
Bijos, P. (2011). O Controle da Gestão dos Recursos Públicos: Bases Conceituais e o Falso Dilema “Regularidade Versus Resultados”. Revista Controle - Doutrina E Artigos, 9(2), 113-138. https://doi.org/10.32586/rcda.v9i2.139
Seção
Artigos